Sobre mim e outras coisas, irreais, ou nem por isso...

02
Jan 12

A vida da família está a dar uma volta muito grande.

 

Nunca fui rica. Mas fiz o curso nos 5 anos previstos, numa grande universidade, e comecei logo a trabalhar, o que me deu alguma independência económica.


Quando criei a empresa, faz hoje, exactamente 4 anos, tinha grandes sonhos. E ,  durante 3 anos. foi difícil, porque perdi poder económico, gastei poupanças da família, mas também pude tirar partido de alguma liberdade de horários e pude, finalmente, dedicar-me às filhas.
O ano de 2011 foi penoso, e a empresa, muito provavelmente, fecharei este mês, porque não há trabalho no ramo da construção.


No fim de fevereiro acabará o meu contrato no Politécnico onde vou dando umas aulas, por menos de um salário mínimo. Estarei desempregada, e sem direitos, porque como "empresária", não haverá subsídio de desemprego.

 

Já vi depressões muito perto de mim, uma delas com o pior dos finais, e reconheço os sinais. Recuso-me, no entanto a deixar-me consumir por essa força estranha.

É verdade que o ânimo tem fugido de mim, e ~, às vezes, baixo mesmo os braços.

 

Sou desenrascada, mas sei bem que não sou muito boa em alguma coisa, o que me deixa um pouco limitada. Não posso partir para nenhuma negociação com o "está no papo". Embora admita que tenho algumas vantagens e capacidade persuasiva.

Não me posso valer da figura: está fora de questão, por todos os motivos, a começar pelo óbvio: é que nem uma Popota sexy sou.

Não posso fazer apostas altas, não tenho dinheiro para as cobrir.

Sou branda com os devedores, e exigente comigo. Está muito mal.

 

O ano começou com dores de barriga, e afastado o cenário de problema alimentar, pois dos 13 para jantar, só a maior e mais volumosa se queixou, a culpa volta a cair nos ataques de ansiedade. Esta noite, tudo regressou, sem as dores de barriga, mas com o coração acelerado e as insónias. Eu sei que, em cima do frigorífico, está a caixa dos comprimidos, mas sinto que tenho de ser eu a manter o controlo, abri-a, fechei-a, e deixei tudo lá dentro.

Não sei se aguentarei muito tempo, se este padrão de noites se mantiver.

 

Para já, tenho de ir comprar uma agenda, e regressar às minhas listas de a fazer.

O primeiro passo tem de ser recuperar o ânimo, e fcar-me no que tenho e preciso de fazer.

 

Entregar uns projectos, marcar uma reunião, reinstalar um software para testes. dar um esticão na tese de mestrado, ir a uma conferência, e tentar mexer-me um pouco mais. Tudo isto, sem falta, esta semana. Ressuscitar a minha varanda

 

E não desistir nunca. Isso não é coisa para mim. Embora me apeteça.

 

publicado por na primeira pessoa do singular às 09:17

Selo concurso
limetree
mais sobre mim
Janeiro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
14

15
17
18
19
21

22
23
24
25
28

29
30
31


Selo concurso
limetree
blogs SAPO